Formula 1 Machine Collection nº 13 – Lotus 97T Renault 1/43.

Essa é a miniatura da Lotus 97T Renault que Ayrton Senna correu no GP da Bélgica de 1985.

Projetado por Gérard Ducarouge e Martin Ogilvie foi um desenvolvimento da 95T usado na temporada anterior com muitos elementos da 96T (um projeto para ser usado na CART mas que nunca estreou nos EUA).

Corrida programada para ser no dia 2 de Junho, ela teve que ser remarcada para 15 de setembro após o recapeamento começar a se soltar por toda a pista após os primeiros treinos.

Senna venceu a corrida e marcou sua 2ª vitória na carreira.

Fontes: https://en.wikipedia.org/wiki/1985_Belgian_Grand_Prix

https://en.wikipedia.org/wiki/Lotus_97T

DSC_0436

Quando recebi em casa essa mini era assim…

DSC_5601

… e customizei com adesivos da inglesa  Grand Prix Decals

LotusLotus1Lotus2Lotus3Lotus4Lotus5Lotus6Lotus7Lotus8Lotus9Lotus91Lotus92Lotus93Lotus94Lotus95Lotus96Lotus97Lotus98

Fiz um vídeo review dessa linda mini.

Anúncios

Formula 1 Machine Collection nº 2 – Lotus 99T Honda 1:43.

Essa é a miniatura da Lotus 99T Honda da IXO/Altaya que o japonês Satoru Nakajima fez sua estreia na temporada de 1987.

Projeto de Gérard Ducarouge e Martin Ogilvie esse carro usou a versão RA-166E  do motor Honda já que a Williams detinha a exclusividade do RA-167E.

Graças ao acordo de fornecimento dos motores Honda, Nakajima foi o primeiro japonês a competir uma temporada completa na Fórmula 1.

Nakajima fez um quarto lugar como melhor resultado e terminou o mundial de pilotos na 12ª colocação com 7 pontos.

A Lotus terminou o mundial de construtores na 3ª colocação com 64 pontos.

Fontes: https://en.wikipedia.org/wiki/Lotus_99T

https://en.wikipedia.org/wiki/1987_FIA_Formula_One_World_Championship

DSC_5559

Fiz um vídeo dessa miniatura.

Recentemente a Centauria aumentou a coleção italiana para 120 edições e essa Lotus que era exclusiva aqui no Japão se tornou parte também. Mas com uma pequena diferença que é a ausência do nome Lotus na carenagem.

X8L1UFN080

A versão japonesa é muito mais bonita pois é igual ao que saiu aí na Lendas Brasileiras do Automobilismo.

Hasegawa Lotus 79 & Etching Parts 1:20.

Esse é o kit da Lotus 79 que Mario Andretti ganhou o GP da Alemanha de 1978.

Projetado no final de 1977 por Colin Chapman, Geoff Aldridge, Martin Ogilvie, Tony Rudd e Peter Wright foi o primeiro carro de F1 a aproveitar plenamente o efeito solo.

Andretti foi campeão com 64 pontos e 6 vitórias (Argentina com Lotus 78, Bélgica, Espanha, França, Alemanha e Holanda).

A equipe foi campeã de construtores com 115 pontos.

A folha de decalques vem com a opção do carro de Ronnie Peterson.

Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Lotus_79

DSC_0713

Comprei também o Etching Parts.

DSC_5775

Esse seria um grande lançamento, mas a Tamiya lançou o mesmo modelo na mesma época. Acho que isso inibiu a Hasegawa em lançar novos modelos de F1…

Tamiya Lotus Type 79 1978 1:20.

Esse é o kit da Lotus 79 que correu em 1978 com Mario Andretti e Ronnie Peterson.

Projetado no final de 1977 por Colin Chapman, Geoff Aldridge, Martin Ogilvie, Tony Rudd e Peter Wright foi o primeiro carro de F1 a aproveitar plenamente o efeito solo.

Apelidado de Black Beauty pela imprensa e fãs, o Lotus 79 foi imediatamente competitivo na sua estréia em Zolder na Bélgica.

Andretti fez a pole com mais de 1 segundo de vantagem e venceu a corrida confortavelmente.

Mário Andretti foi campeão com 64 pontos e 6 vitórias (Argentina com Lotus 78, Bélgica, Espanha, França, Alemanha e Holanda).

Ronnie Peterson foi vice com 51 pontos e 2 vitórias (África do Sul com Lotus 78 e Áustria).

A equipe foi campeã de construtores com 115 pontos.

Após a morte de Peterson dias depois do GP da Itália, Jean Pierre Jarier foi seu substituto nos GPs dos EUA e Canadá.

Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Lotus_79

DSC_6582

DSC_6585

Comprei o PE desse kit e falta comprar uma folha de decalques da JPS pra ficar completo.

Kyosho Lotus 91 Ford 1:64.

Essas são as miniaturas da Lotus 91 que disputou o mundial de 1982 com Elio de Angelis e Nigel Mansell.

Projetado por Colin Chapman, Martin Ogilvie e Tony Rudd a Lotus voltou ao estilo básico depois de alguns fracassos com projetos experimentais.

Com design baseado na Williams FW07 e no Lotus 88 usando uma caixa de câmbio padrão Hewland, o Lotus 91 foi um carro simples e de fácil manutenção.

Seguindo o exemplo da Brabham, foi o primeiro Lotus a usar freios de carbono, melhorando sensívelmente o desempenho da frenagem.

Usando um sistema onboard para controlar a altura, foi o primeiro carro a utilizar suspensão ativa por válvulas hidro-pneumáticas que eram parcialmente controladas por computadores.

Com 1 vitória de Elio de Angelis na Áustria, a equipe terminou o mundial de construtores na 6ª colocação com 30 pontos.

Roberto Moreno fez sua estréia na Fórmula 1 com esse carro ao substituir Mansell no GP da Holanda, mas não conseguiu classificar-se para a corrida.

Geoff Lees substituiu Mansell no GP da França, chegando na 12ª colocação.

O Lotus 91 foi o último carro a vencer um GP sob o comando de Colin Chapman antes dele morrer em Dezembro de 1982 vítima de um ataque cardíaco.

Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Lotus_91

 DSC_6616

DSC_6618

Tirei uma foto desse modelo na matriz da Tamiya em Shizuoka.

DSC_6325

Kyosho Lotus 88 Ford 1:64.

Essas são as miniaturas da Lotus 88 de 1981 que foi desenhado por Colin Chapman, Peter Wright, Tony Rudd e Martin Ogilvie.

Evolução da Lotus 86, a Lotus 88 usou um engenhoso sistema de chassis duplo, um dentro do outro.

O chassis interior iria manter o cockpit e seria independente do chassis exterior que foi projetado para ter pressão do efeito solo começando logo atrás do nariz do carro e extendendo no interior das rodas traseiras produzindo grandes quantidades de downforce.

Os pilotos Nigel Mansell e Elio de Angelis disseram que o carro foi agradável de dirigir e responsivo.

O carro foi construído extensivamente em fibra de carbono, tornando-o junto com McLare MP4/1 o primeiro carro a usar o material em grande quantidade.

Outras equipes ficaram indignados com essa exploração nos regulamentos e protestaram na FIA argumentando que o sistema de chassis duplos violava as regras nos termos dos dispositivos aerodinâmicos móveis.

A FIA aceitou e proibiu o carro de competir, forçando Chapman a utilizar o Lotus 87 no lugar desses.

Chapman foi categórico quanto a legalidade do carro e desafiou a FIA e as equipes usando o carro nos treinos do GP de Long Beach, Brasil e Inglaterra.

A Lotus 88 continua a ser uma curiosidade quanto a sua competitividade, pois nunca chegou a estreiar em corridas.

Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Lotus_88

DSC_6614

DSC_6615

%d blogueiros gostam disto: